Uma História Sobre a Amizade Para Refletir: A História Dos Amigos

Uma História Sobre a Amizade Para Refletir: A História Dos Amigos

Esta é a história de dois amigos, Pedro e Ramón, que se amavam como irmãos apesar de não terem laços familiares.

Eles tinham uma amizade tão grande que, para todos os habitantes da cidade, eram como irmãos gêmeos inseparáveis, sem muita semelhança física, já que um era mais alto e o outro mais baixo, um louro e outro moreno.

Essa ligação surgiu desde que eram crianças. Eles moravam perto um do outro e, desde que eram pequenos, eles se adaptavam para brincar juntos e realizar todas as tarefas juntos.

Eles brincavam de esconde-esconde, corriam ou mergulhavam na lagoa, brincavam com animais, enfim, tudo que uma criança faz para tornar seus dias divertidos.

Da mesma forma, os dois ajudavam muito em suas casas e dividiram as tarefas da escola, de modo que os pais de cada um amavam o outro como se fosse mais um filho.

Assim, Pedro e Ramón cresceram, assim como a amizade e o trabalho que fizeram juntos.

É claro que, à medida que amadureciam, não faziam o mesmo de antes, mas ainda se viam com frequência.

Tão inseparáveis ​​eram que, mesmo quando se casaram e tiveram que construir sua casa e família, fizeram isso lado a lado, de modo que suas famílias também eram participantes do belo vínculo de amizade que os unia.

Há muitos exemplos e histórias que reafirmam que raramente se tem uma amizade como essa.

Um dia Pedro estava dormindo em sua casa, com sua esposa e filho. Ele teve um dia bastante tranquilo no trabalho e nada aconteceu que saiu de sua rotina habitual.

No entanto, ele de repente acordou assustado, como se tivesse uma grande preocupação ou tormento em sua cabeça.

Sem dar uma explicação a sua esposa, extremamente intrigada com a agitação do marido, ele levantou e foi rapidamente até a casa do vizinho e amigo Ramón, à qual bateu à porta com uma dureza típica de uma pessoa apressada.

Em poucos segundos, também com medo, Ramón abriu a porta e quando viu seu amigo tão pálido perguntou:

– Pedro aconteceu alguma coisa? Por que você bate na minha porta tão tarde da noite?

Pedro não pôde responder, porque seu nervosismo e agitação não permitiam que ele ainda respirasse para narrar o que aconteceu.

Antes desse silêncio, Ramón interveio novamente.

“Realmente, me diga”, ele perguntou. – Você está me preocupando. Algo está acontecendo em sua casa? Eles tentaram roubar você? Sua esposa e filho estão bem? Algo acontece com você, você se sente doente?

Com tanta insistência e um pouco mais recuperado, Pedro conseguiu responder a Ramón.

Amigo, nada aconteceu. Acontece que eu dormi profundamente e de repente me vi em um sonho estranho, onde você estava em sério perigo. Desculpe por minha agitação e meus modos, mas tinha que ter certeza de que você e sua família estavam em perfeitas condições.

Grato e feliz, Ramón respondeu:

– Como você vai pedir meu perdão por algo que eu deveria agradecer? Ter um amigo que se preocupa com isso é uma das melhores coisas que você pode querer na vida. Agora eu lhe digo, tenha certeza de que faria o mesmo por você, não importa a hora que fosse.

E assim os dois amigos se abraçaram e foram jogar cartas e beber uma cerveja até que Pedro se acalmou.

Sua amizade depois daquele dia permaneceu tão forte, talvez um pouco mais, que ele mostrou para todos que o conheciam, e para nós que agora aprendemos que amizade como a deles é realmente pequena e que verdadeiros amigos são aqueles que estão sempre lá um para o outro.

Em suas famílias, a história era repetida com seus filhos, depois com seus netos, bisnetos e assim por diante indefinidamente, embora, claro, essas fossem outras histórias e outros sonhos para contar.

Deixe uma resposta