10 Motivos pelas quais eu não alcancei meus sonhos (Não cometa esses mesmos erros)

10 Motivos pelas quais eu não alcancei meus sonhos (Não cometa esses mesmos erros)

Um dia tive que parar e me fazer essa pergunta seriamente, percebi que o tempo não tinha parado aos quinze anos, quando sonhava em conquistar o mundo. 

Depois de trinta anos, tinha vários projetos, sonhos e metas não cumpridas e precisava entender como alcançá-los o mais rápido possível e com menos sacrifício.

Comecei então a buscar alternativas de trabalho que me permitissem compartilhar mais com minha família, alcançar maiores níveis de liberdade, realizar minhas atividades favoritas e contribuir com a sociedade, tudo isso fazendo, pela primeira vez na vida, tarefas que gosto de fazer, como compor e escrever. 

Aos poucos, o caminho para a realização dos meus sonhos me levou por um apaixonante caminho de autoconhecimento em que os verdadeiros motivos da minha estagnação foram sendo descobertos aos poucos, tanto nas minhas atitudes como nas dos outros, motivos que se tornaram nas lições irrepetíveis que a vida me deu dia após dia.

A resposta à pergunta “por que não realizei meus sonhos?” Ela me foi respondida várias vezes por meio de diferentes crenças limitantes e respostas de auto-sabotagem que só servem para nos proteger da mediocridade.

Estas são as 10 razões pelas quais não realizei meus sonhos:

1. Por não acreditar.

Não acreditar em mim, nos outros, que um trabalho pode funcionar para mim, que eu posso fazê-lo, que outras pessoas também podem, que o dinheiro virá, que serei saudável. 

Acreditar, acreditar sempre é como a chave que nos abre a porta porque o que não acreditamos deixa automaticamente de existir para nós. E se não existir, nunca poderemos ver.

2. Por não cumprir. 

A palavra penhorada parece ter perdido o valor, porque fazemos promessas, marcamos uma hora, uma data e depois alegremente violamos tudo porque na nossa lista de prioridades os lugares variam rapidamente em função dos nossos interesses e por isso perdemos grandes oportunidades, perdemos relações que podem ser decisivas no nosso futuro e sobretudo perdemos tempo, que é um recurso impossível de recuperar.

3. Por não investir. 

Pode ser que acreditemos que as coisas virão do céu e que não exigirão nosso esforço ou nosso dinheiro. Isso é completamente falso e é a crença mais difundida.

Embora envolva um grande risco, devemos estar sempre disponíveis para investir da melhor maneira que pudermos, porque investir é como semear: colheremos sempre na mesma proporção. 

Claro que, como na semeadura, também depende do terreno em que caem nossas sementes, portanto devemos estar preparados para perder, até mesmo perder tudo e começar de novo. 

Neste caso, diremos como Thomas Edison: Muitos fracassos na vida foram de homens que não sabiam o quão perto estavam do sucesso quando desistiram. 

4. Por não estudar.

Ninguém possui todo o conhecimento, nem existe conhecimento absoluto. Quase tudo pode ser reinventado, redescoberto, redesenhado. 

As mudanças de paradigma são permanentes de geração em geração e por isso devemos sempre estudar, conhecer, experimentar, nos preparar com o que existe e estar abertos ao novo que existirá. 

Claro, tudo dentro de uma escala de valores que promove a vida, a convivência pacífica, o amor entre os seres humanos e a preservação da natureza.

5. Por não me deixar ser guiado. 

Ao longo de nossas vidas aparecem certas pessoas que têm a intenção sincera de nos guiar para o próximo nível e elas chegam quando estamos prontos para dar esse passo. 

Infelizmente o nosso pior inimigo, que é o ego, a necessidade de gritar aos quatro ventos que o fazemos sozinhos, sem ajuda de ninguém, nos domina e rejeitamos tão preciosa oferta. 

Para crescer, um tutor, mentor ou professor é sempre necessário para nos ajudar a limpar o caminho e pisar em nossos pés para seguir em frente com segurança. 

6. Por seguir ou dar exemplos ruins.

No último ano, através de um negócio de ponta que estou desenvolvendo junto com minha esposa, aprendi um novo termo: “modelagem”, que nada mais é do que o exemplo que recebemos desses guias e aquele que damos aos outros quando temos que orientar. 

Isso abriu meus olhos porque no mundo real, mesmo que algumas pessoas não te digam, elas te observam e tentam seguir seus passos. 

Também nós, embora não sejamos guiados por quem realmente deseja nos ajudar, seguimos os passos de pessoas que servem de modelo, mas que não têm princípios e valores claros. É por esta razão que tanto nossos seguidores anônimos quanto nós vivemos constantemente entrando em becos sem saída e círculos sem fim que nos levam cada vez mais longe de nosso objetivo.

7. Por querer que outros tenham os mesmos sonhos. 

A liberdade é um tesouro e, como tal, deve ser cuidada, protegida e praticada diariamente. É preciso entender que somos e não seremos iguais. 

Embora possa parecer que temos os mesmos objetivos, eles são realmente diferentes, totalmente diferentes. Muitas vezes, fazemos os outros acreditarem que compartilhamos sua paixão no mesmo nível e isso porque queremos ser aceitos e reconhecidos. 

No longo prazo, esse prédio desmorona porque está sobre fundações falsas e insustentáveis. Aceitar o direito dos outros de discordar e o nosso de participar ou não de uma iniciativa é o princípio das relações genuínas em que negociamos nossos níveis de participação em projetos comuns apenas condicionados pela regra ganha-ganha.

8. Por não reconhecer as virtudes dos outros sobre seus defeitos. 

É imenso o poder de reconhecer as virtudes dos outros, nunca como bajulação, mas como um processo no qual nos damos a oportunidade de conhecê-los profundamente para valorizar sua identidade.

Todos nós temos motivos para ser elogiados e nenhum para ser julgado, isso porque nossas virtudes são tão inerentes à nossa condição humana quanto nossos defeitos. Quando aprendemos a julgar menos e reconhecer mais, nos engrandecemos e criamos relacionamentos duradouros baseados no amor. 

9. Por não saber esperar.

Toda a natureza corre na estrada do tempo. Quando uma árvore nasce, ela não nasce grande de uma vez. 

Tudo neste processo chega na hora certa e um processo não inicia até que o outro seja concluído com êxito. A árvore deve crescer, ficar forte, amadurecer e florescer antes de dar os primeiros frutos e tudo isso acontece em um tempo pré-definido e não antes. 

10. Por não querer alcançá-los.

Na verdade, a razão mais poderosa para não realizar nossos sonhos é não querer realizá-los. 

Isso porque quando queremos algo com todas as nossas forças e com todo o nosso coração, quase nada pode nos deter, nenhum sacrifício é tão grande, nenhuma estrada é tão longa. Portanto, a questão primordial é: “Se eu realmente quiser alcançar isso, estou disposto a me transformar em uma nova pessoa para esse propósito?”

Para ver as mudanças em nossos ambientes devemos nos mudar primeiro porque tudo o que queremos já está lá de forma intangível, ao nos transformarmos em nosso desejo, tornamos isso visível aos nossos olhos e verdadeiramente possível.

Deixe uma resposta