10 Principais Causas Do Fracasso No Casamento

10 Principais Causas Do Fracasso No Casamento

Um dos projetos que começa com tremendas esperanças e expectativas é o casamento, no entanto, também é comum que ele falhe com muita frequência.

É importante investigar as razões dessas falhas e estudar o significado do amor em geral. Se junte a nós até o final para que você saiba quais são as razões para o fracasso conjugal.

Por que um casamento acaba?

Segundo o psicólogo Erich Fromm, o amor é uma arte, assim como viver é arte. Portanto, se quisermos aprender essa arte, devemos aprender teoria e prática, como em qualquer outra arte.

Não se trata da busca de um objeto romântico que possa ser acessado agora, mas amar envolve uma função, um ato permanente e dinâmico que requer uma atividade criativa entre os membros do relacionamento.

Ambos os membros devem ter a disposição de se conhecer, cuidar um do outro, respeitar um ao outro e ser mutuamente responsáveis. Partindo dessas premissas, entre as razões mais comuns para o fracasso no casamento, encontramos:

1) A união estabelecida pelo estágio de se apaixonar, que não é dado por um amor maduro, mas por uma fase anterior de explosão apaixonada em que há uma idealização das qualidades da outra pessoa. 

Aqui não tem havido coexistência e conhecimento adequados entre o casal e um período de desilusões, conflitos, até mesmo violência, até que eles cheguem ao fim da relação.

2) Infidelidades são comuns quando o casamento é baseado em um sentimento apaixonado, hormonal e superficial, em ver o outro como um objeto que dá prazer, como um troféu socialmente desejável.

Mas quando deixa de me proporcionar novidade e prazer, quando é associada à rotina dentro do conjunto de meus objetos de propriedade, a busca compulsiva é feita por outro objeto que o substitui e fornece novamente a fantasia de se apaixonar.

Este casamento não é baseado em um amor maduro e as pessoas tentam escapar e não trabalhar a complexidade dos elementos que implicam o vínculo.

3) A violência psicológica e emocional é frequentemente dada pela visão do outro como um objeto que pertence a mim, ao qual eu atribuo qualidades idealizadas, uma vez que não há conhecimento suficiente.

Quando percebo que se afasta desse padrão que imaginei, surge o sentimento de frustração e raiva contra aquele objeto que não conheço e que, portanto, não respeito.

Esses padrões de violência, em muitos casos, também são aprendidos a partir de modelos familiares dos membros do casal, observados por modelos de relacionamento parental dependentes e sadomasoquistas.

4) Dificuldades financeiras, quando a união matrimonial se baseia em um objeto com características idealizadas e imóveis, são atravessadas por demandas econômicas e materiais, que podem causar fricção e períodos de angústia no casal.

Na ausência de um acordo mútuo para cuidar e responder adequadamente a essas dificuldades, pensando no bem-estar comum, ocorrem conflitos e subsequente separação.

5) A intervenção de terceiros no casamento, quando há influência significativa na rotina, tomada de decisões e atividades por parte de outros membros do ambiente social e familiar do casal que perturbam a qualidade do relacionamento, por não estabelecer limites claros para eles, é o caso dos sogros, filhos, amigos, irmãos etc.

6) Quando não são comportamentos falta de controle de impulso em um ou ambos os parceiros envolvendo em princípio comportamentos destrutivos, que envolve uma falta de cuidado e responsabilidade para si mesmo e, finalmente, do casal e do núcleo familiar.

7) Quando é dominado por um fluxo de trabalho mais individualista, projeto e atividades pessoais que enfatiza uma desconexão da outra pessoa, que não opera uma comunicação adequada, envolvem outros em suas realizações, aspirações e preocupações e deixar a privacidade e o espaço matrimonial quase completamente de lado.

8) Se não são problemas significativos na estrutura da personalidade e da mente de um ou ambos os parceiros envolvendo funcionamento perturbador no trabalho diferente, área social e afetiva, incluindo uma significativa perda de autocontrole, o julgamento da realidade e capacidade de raciocínio.

9) Em alguns casos sócio – tendências políticas religiosas culturais e padrões de criação da prole também pode interferir com a dinâmica conjugais como eles têm ideais e crenças relativas a estas questões muito divergentes que favorecem desentendimentos contínuos, incompreensões e conflitos.

10) Envolver-se em práticas sexuais abertas, mesmo que seja com o consentimento de ambos os membros do casal, em que pretendem sair da rotina e realizar as mais íntimas fantasias.

Eles carregam um risco não apenas de união física e emocional e compromisso do casal que pode representar uma possível confusão e subsequente envolvimento emocional com um terceiro; bem como práticas ambíguas em relação ao gosto sexual do casal que gera confusão e até sentimento de deslealdade pelo outro.

Deixe uma resposta