4 Pequenas Histórias Com Grandes Ensinamentos Que Podem Mudar Sua Vida

4 Pequenas Histórias Com Grandes Ensinamentos Que Podem Mudar Sua Vida

Encontre aqui pequenas histórias com grandes ensinamentos. Lições de vida que podem mudar a sua vida! Confira:

A História das sementes

Duas sementes estavam juntas na primavera e no solo fértil.

A primeira semente disse:

– Quero crescer! Eu quero afundar minhas raízes profundas no solo que me sustenta e fazer minhas papilas empurrar e quebrar a camada de terra que me cobre… Eu abro minhas papilas para anunciar a chegada da primavera… Eu quero sentir o calor do sol no meu rosto e a bênção do orvalho da manhã nas minhas pétalas!

E assim cresceu.

A segunda semente disse:

– Tenho medo. Se eu enviar minhas raízes para afundar no chão, não sei o que posso encontrar no escuro. Se eu fazer o meu caminho através do solo duro que posso danificar meus brotos delicados… se eu deixar meus botões abertos, talvez um caracol tenta comê-los… se eu abrir minhas flores, talvez alguma criança me rasgue e me jogue do chão. Não, é muito melhor esperar até um momento seguro.

E então ele esperou.

Uma galinha que, no começo da primavera, arranhou o chão em busca de comida, encontrou a semente que estava esperando e, sem perder tempo, comeu.

Moral: Aqueles que se recusam a arriscar e crescer são devorados pela vida.

O princípio do vazio

Você tem o hábito de acumular objetos inúteis, acreditando que um dia (você não sabe quando) pode precisar? 

Você tem o hábito de coletar dinheiro apenas para evitar gastar, porque pensa no futuro que pode precisar.

Você tem o hábito de guardar roupas, sapatos, móveis, utensílios domésticos e outros utensílios domésticos que você não usa mais há algum tempo. 

E dentro de você? Você tem o hábito de manter brigas, ressentimentos, tristezas, medos, etc. Não faça isso É ruim para sua prosperidade. 

É necessário criar um espaço, um vácuo, para que novas coisas cheguem à sua vida.

É necessário eliminar o que é inútil em você e em sua vida, para que a prosperidade venha.

É a força desse vácuo que absorverá e atrairá tudo o que você deseja.

Enquanto você estiver materialmente ou emocionalmente carregando coisas velhas e inúteis, não haverá espaço aberto para novas oportunidades.

As mercadorias precisam circular. Limpe as gavetas, os armários, a sala dos fundos, a garagem. Dê o que você não usa mais.

A atitude de manter muitas coisas inúteis amarra sua vida. Não são os objetos armazenados que estagnam sua vida, mas o significado da atitude de manter. 

Quando é salvo, a possibilidade de falta é considerada. É acreditar que o amanhã pode estar faltando e você não terá meios para suprir suas necessidades.

Com essa postura, você está enviando duas mensagens para o seu cérebro e sua vida:

– Você não confia no amanhã 

– Você acredita que o novo e o melhor não são para você, desde que você esteja contente de manter coisas velhas e inúteis.

Se livre daquele que perdeu a cor e o brilho, deixe o novo entrar em sua casa e em si mesmo.

A joia do monge

Um monge errante encontrou, em uma de suas viagens, uma pedra preciosa e guardou em sua bolsa. Um dia ele encontrou um viajante e, abrindo sua bolsa para compartilhar suas provisões com ele, o viajante viu a joia e pediu por ela.

O monge deu a ele sem mais delongas. 

O viajante agradeceu e se encheu de alegria com aquele presente inesperado da pedra preciosa que seria suficiente para lhe dar riqueza e segurança o resto de seus dias. No entanto, poucos dias depois, ele voltou em busca do monge, ele encontrou, devolveu a joia e implorou: “Agora peço-lhe para me dar algo muito mais valioso esta joia… por favor, devolva a minha vida”.

Com o passar do tempo…

Aos 4 anos: “Minha mãe pode fazer qualquer coisa!” 
Aos 8 anos: ‘Minha mãe sabe muito! Ela sabe tudo!
Aos 12 anos: “Minha mãe realmente não sabe tudo…”
Aos 14 anos: “Naturalmente, minha mãe não tem ideia sobre isso”
Aos 16 anos: “Minha mãe? Mas o que ela vai saber?”
Aos 18 anos: “Aquela velha? Mas ele cresceu com os dinossauros!”
Aos 25 anos: “Bem, talvez mamãe saiba alguma coisa sobre o assunto…”
Aos 35 anos: “Antes de decidir, gostaria de saber a opinião da mamãe”.
Aos 45 anos: “Certamente minha mãe pode me guiar”.
Aos 55 anos: “O que minha mãe teria feito no meu lugar?”
Aos 65 anos: ‘Eu gostaria de poder falar sobre isso com a minha mãe!’

Deixe uma resposta