A Ciência Explica Como Essas 4 Perguntas Matinais Podem Mudar o Seu Cérebro

A Ciência Explica Como Essas 4 Perguntas Matinais Podem Mudar o Seu Cérebro

Pense sobre esta questão: você está no controle do seu cérebro?

Pense nisso. Por favor, não vá em frente até que você tenha pensado nisso por um minuto.

Seu cérebro certamente pertence a você… mas você está no controle disso? Muitos dos neurocientistas mais brilhantes do mundo dizem “não” até certo ponto. De fato, as estatísticas mostram que na maioria das vezes nosso cérebro está em “piloto automático”.

Aqui estão alguns exemplos:

  1. Você está fazendo uma dieta e rotina de exercícios, mas por algum motivo – apesar de seu bom senso e suas melhores intenções – você não pode parar de comer doces.
  2. Você se comprometeu a deixar pensamentos negativos e autocríticos. Mas, por algum motivo, parece que eles se proliferaram ainda mais.

Estes são apenas dois exemplos com os quais você pode ou não ser identificado. 

Todos nós tivemos pensamentos que gostaríamos que não tivéssemos. Às vezes, até mesmo agimos com base nesses pensamentos, apesar de nosso bom senso ou conhecimento.

A resposta simples para a pergunta “Nós temos o controle do cérebro?” É “sim e não”. 

Seria tolice pensar que não temos controle, afinal, fazemos algumas das coisas que pretendemos fazer. Mas estamos no piloto automático a maior parte do tempo. 

Talvez comer no piloto automático, dirigir no piloto automático, pensar no piloto automático, ouvir no piloto automático, falar no piloto automático e assim por diante.

Por que isso acontece?

É porque o cérebro é “preguiçoso” por padrão. O cérebro é incrivelmente complexo e evoluiu para encontrar maneiras de operar com mais eficiência. 

O cérebro também é uma máquina de reconhecimento de padrões – é projetado para unir coisas abstratas a fim de dar sentido ao ambiente. É por isso que é difícil romper com os hábitos.

Sem “treinamento” adequado, o cérebro permanece em um período de tempo desproporcionalmente grande no modo de piloto automático. É aqui que nossa mente consciente entra em ação.

“Reciclagem” a mente não precisa ser um processo muito complexo. De fato, resolver a memorização de quatro perguntas básicas pode simplificar qualquer desafio, problema ou decisão que enfrentamos, seja ele grande ou pequeno.

Faça essas 4 perguntas todas as manhãs ao seu cérebro

Todas as manhãs, se comprometa a fazer essas quatro perguntas quando enfrentar um desafio / problema / decisão.

1. O que realmente é importante para mim?

Muitos de nós decidem que queremos “fazer mais exercício”. É um conceito abstrato que deve ser mais concreto. O que é importante que nos faz querer “exercitar mais”? Aparência física? Abaixando o colesterol? Ser um modelo?

O que é realmente importante para você que faz você querer perder peso? Ou ser promovido? Comprar uma casa? Começar um negócio? Etc. Não permita que a mente adie preguiçosamente essa questão – forneça uma justificativa para qualquer desafio / decisão / problema torna muito mais provável que você a leve até o fim.

2. Como vou fazer isso?

Tendemos a dizer que faremos algo sem formar qualquer tipo de plano. Fazer isso é, na verdade, muito comum. É comum porque o nosso cérebro tem uma maneira distorcida de evitar a responsabilidade.

Aqui está outro exemplo: decidimos “procurar um emprego diferente”. Claro, isso parece bastante simples – mas quantas pessoas permanecem no mesmo trabalho, apesar de suas intenções de deixar o local? Muitas vezes, a razão pela qual as pessoas fazem isso é porque elas nunca tiveram um plano.

Então, como essa pessoa hipotética vai “procurar um emprego diferente”? Procurando por uma ou duas horas todos os sábados de manhã? 

  • Investigue as empresas que estão contratando
  • Conecte-se com pessoas no LinkedIn / Facebook / Twitter 
  • Atualize o currículo
  • Publique em vários quadros de empregos
  • Procure o conhecimento

3. Quem pode me ajudar?

É possível que a decisão de realizar algum tipo de ação não envolva ninguém além de você. Se este for o caso, que assim seja. Mas é aconselhável, pelo menos, contemplar a questão de quem está – ou poderia estar – envolvido em qualquer decisão.

Um erro que as pessoas cometem quando enfrentam um desafio / problema / decisão é ignorar as pessoas afetadas pela (s) referida (s) decisão (ões). 

Novamente, esta é a maneira como o cérebro elude qualquer esforço necessário, mas indesejado. 

Entender quem está potencialmente envolvido na decisão ou consequência de uma decisão é ignorar as possíveis complicações que surgem da perspectiva de outra pessoa.

4. O que vai acontecer se_____

Em alguns casos, é bom ter um plano de contingência para o caso de algo lamentável acontecer. Como exemplo, vamos usar os exemplos anteriores.

“Eu quero fazer mais exercício.”

O que acontece se eu me machucar?

“Primeiro, eu examinaria se algum tipo de exercício seria possível. Em segundo lugar, caso eu não conseguisse me exercitar, eu reduziria alguns tipos de comida… “

“Eu quero procurar um trabalho diferente.”

O que acontece se meu parceiro fizer objeções?

“Meu parceiro merece uma explicação racional de por que eu quero um trabalho diferente. Vou apresentar o meu caso e resolver quaisquer questões.”

Em geral, podemos antecipar o que ou quem podem ser potenciais “obstáculos” a possíveis decisões. 

Se anteciparmos um potencial obstáculo, dependendo da situação, pode valer a pena dar uma resposta adequada.

GOSTOU? SALVE NO PINTEREST ♥

Deixe uma resposta