4 Curiosidades Sobre o Budismo Que Irão Te Surpreender

4 Curiosidades Sobre o Budismo Que Irão Te Surpreender

O budismo é um modo de vida fascinante e único, com algumas surpresas reservadas para aqueles que não estão familiarizados com ele.

Surgindo dos antigos ensinamentos do Buda, é atualmente a quarta maior religião do mundo, com mais de 495 milhões de adeptos, representando 7% da população global espalhada por quase todos os países do mundo.

Embora o budismo possa parecer tudo sobre meditação, calma e mosteiros silenciosos, ele tem tantas peculiaridades interessantes quanto as outras crenças do mundo. Vamos conhecer 7 fatos do budismo que irão te surpreender. Confira!

  1. Foi iniciado por um príncipe.

O título “buda” se refere a uma pessoa iluminada que se despertou de sua ignorância e alcançou a liberdade do sofrimento. Portanto, há mais de um buda.

A figura histórica conhecida como Buda – a capital “B” – nasceu perto da bacia do rio Ganges, no antigo norte da Índia, no que hoje conhecemos como Nepal.

Antes de se tornar o Buda, seu nome era Siddhartha Gautama – seu nome dado significa “aquele que alcança seu objetivo” – e ele veio de uma família real. Sua vida era de luxo, protegida do sofrimento e da violência do mundo.

Por volta dos 29 anos, Siddhartha testemunhou o sofrimento pela primeira vez enquanto estava em uma viagem de carruagem do lado de fora do palácio de sua família.

Isso teve um profundo efeito sobre o homem, e por causa disso, ele posteriormente renunciou à sua riqueza e laços reais em uma busca para encontrar a causa do sofrimento humano, e acabar com isso.

Durante seis anos, ele procurou os melhores professores de meditação, vivendo uma vida marcada pela negação de suas necessidades, implorando por comida nas ruas. No entanto, isso produziu nele um sentimento de fraqueza e má saúde – ele sofreu e assim concluiu que esse não era o caminho.

Depois disso, ele buscou a verdade do sofrimento na meditação iogue. Mas também nisso estava insatisfeito.

Por fim, ele estabeleceu o que os budistas chamam de Caminho do Meio – um caminho de moderação que afasta um indivíduo dos extremos da auto-indulgência.

Por fim, Siddhartha sentou-se debaixo de uma árvore pipal, onde jurou não se levantar até encontrar a verdade, foi o que ele fez, e se iluminou depois de 49 dias de meditação, escrevendo o que ele aprendeu – escritos que se tornaram a base do budismo.

  1. É antigo.

A maioria dos estudiosos modernos concorda que o Buda histórico estava vivo entre cerca de 563 a 483 a.C. Isso significa que os ensinamentos do budismo foram transmitidos por mais de 2.500 anos.

Para lhe dar uma ideia de como isso é antigo, vamos ver o que mais aconteceu no período de tempo em que o Buda estava vivo.

Por volta dessa época, a cidade inglesa contemporânea de Londres encontrou suas origens em meio a águas pantanosas perto do rio Tâmisa, na forma de algumas dúzias de cabanas e um pequeno píer construído pelo rei Celta, Belin.

A catapulta também havia sido inventada pelos gregos, e a guerra estava ocorrendo entre Esparta e a cidade-estado de Elis. Jesus, fundador do cristianismo, não nasceria por centenas de anos.

Com isso em perspectiva, é difícil não se surpreender com o tempo que os ensinamentos do Buda foram transmitidos de professor para professor.

  1. Não há um único livro sagrado.

Ao contrário das outras grandes religiões do mundo, o budismo não tem um único livro sagrado do qual todos os seus ensinamentos vêm. Em vez disso, há um grande número de textos e ensinamentos, mas poucos são aceitos como autênticos e autoritários.

As escrituras budistas são chamadas de sutras, o que significa “fio”. Este título indica que o trabalho é um sermão dado pelo Buda, ou por um dos seus discípulos – muitos, no entanto, têm outras origens.

Há uma infinidade de sutras, variando em tamanho de algumas linhas até o tamanho de um grande volume. E além disso, existem inúmeras fábulas, regras para monges e freiras e comentários.

Para complicar, o budismo se dividiu em duas grandes escolas há cerca de 2.000 anos, tornando-se o que hoje se conhece como Theravada e Mahayana.

As escrituras budistas são divididas em cânones para cada uma dessas escolas. E, para ir ainda mais longe, o cânon Mahayana é dividido entre o cânon chinês e o cânone tibetano.

  1. Não há deus budista.

Uma grande diferença entre o budismo e outras grandes religiões é a falta de uma divindade central.

Siddhartha era apenas um homem, ainda que esclarecido, e não fez nenhuma reivindicação à divindade. Os budistas seguem seus ensinamentos e tentam viver como ele, mas eles não o adoram.

Curiosamente, o Buda, em contraste com os deuses de outras religiões, encoraja os budistas a não tomarem sua palavra para nada, mas sim descobrirem o que funcionam para si mesmos – é tudo sobre explorar crenças, entendê-las e testar essas crenças contra a experiência.

Deixe uma resposta