3 Ensinamentos Sobre o Amor Que Todas As Pessoas Deveriam Conhecer

3 Ensinamentos Sobre o Amor Que Todas As Pessoas Deveriam Conhecer

Esses ensinamentos sobre o amor nos convidam a refletir, nos dando a oportunidade de expressar o melhor de nós mesmos.

amor implica compaixão, alegria e equanimidade, e é a chave para uma vida plena e livre, capaz de superar o medo,solidão e ansiedade.

Atualmente, uma das principais premissas do amor reside no fato de que, para dar amor aos outros, precisamos primeiro nos amar.

Hoje em dia considera-se que, cada pessoa pode estabelecer laços saudáveis ​​e verdadeiros. Evidentemente, o amor inclui em si vários conceitos importantes, como confiança, generosidade, respeito, tolerância,bem-estar e liberdade.

Uma pessoa que dá e recebe amor, vive harmoniosamente, é alegre e tem facilidades para se sentir completa, se comunicar e criar laços saudáveis.

Algumas das lições para a vida sobre o amor descrito abaixo foram coletados de várias fontes que permaneceram em vigor ao longo dos anos, incluindo o trabalho de Eric Fromm, (psicanalista e editor alemão do século XX) e, portanto, eles podem ser facilmente analisados ​​do ponto de vista atual. Todos eles nos convidam a refletir e aprofundar nossa própria opinião sobre o assunto.

1. O amor não exige

Para muitos, o amor é uma oportunidade para expressar o melhor de si e dar rédea solta às esperanças e anseios. Por isso, é expresso com gestos como carícias ou palavras afetuosas. 

No entanto, a reciprocidade não é algo que deve ser forçado, mas deve surgir, naturalmente, no outro. Portanto, amor não é sinônimo de posse ou controle sobre uma pessoa.

2. Nós temos mais do que pensamos

O amor que é imaturo não sabe esperar expressões de reciprocidade para alcançar. Essa entrega que esperamos que seja recompensada, às vezes, nos faz parar de perceber pequenos detalhes como algo importante.

Às vezes nos esquecemos de estar atentos àquela carícia, aquele beijo ou aquela palavra que revirou nosso coração, mas não valorizamos o suficiente.

Sem querer, ignoramos os mais belos gestos que os outros têm para nós. Além disso, nos esquecemos de apreciar os gestos do amor-próprio, como um momento de relaxamento depois de um dia estressante, ou esse elogio nos dedicamos a nos ver no espelho.

3. Não somos tão pobres quanto pensamos

Muitas vezes acreditamos que não somos felizes, que ninguém nos apóia e assim por diante. Nós nos consideramos pobres e, portanto,acreditamos que é verdade que não temos nada para dar, então tudo o que nos falta, temos que fornecer outras pessoas. 

Isso nos leva a buscar a felicidade no exterior, a querer que os outros nos amem, porque não temos amor por nós mesmos. Tudo isso nos leva a um único caminho: o do sofrimento.

Mas, na realidade, temos mil e uma possibilidades para experimentar o amor e ser feliz para nós mesmos, em primeiro lugar. 

Sempre podemos oferecer algo, mas para isso, primeiro precisamos estar cientes de que podemos ser felizes por nós mesmos.

Como Fromm expressou: “O amor não é essencialmente um relacionamento com uma pessoa específica; é uma atitude, uma orientação do personagem que determina o tipo de relacionamento de uma pessoa com o mundo como um todo, não com um objeto amoroso”.

Devemos estar conscientes de que podemos sempre ter amor por nós mesmos, independentemente de nossos laços. 

Uma vez que abrimos nossos olhos, nos sentiremos muito melhor e poderemos levar uma vida mais plena, com conexões saudáveis ​​e relacionamentos verdadeiramente dignos.

Deixe uma resposta