O Cachorro Curioso: Uma História De Reflexão Sobre o Destino e a Vida

O Cachorro Curioso: Uma História De Reflexão Sobre o Destino e a Vida

Nossas emoções são a base daquilo que consideramos feliz ou não e nos permitem identificar se nos sentimos bem ou, ao contrário, nos sentimos deprimidos. 

As emoções são repentinas, às vezes intensas, violentas, são um motor ou um freio, nos encorajam a agir e, em particular, a reagir. 

O que devemos entender quando essas emoções, ruins ou boas, são provocadas por outras pessoas? Como o outro pode se tornar o espelho daquilo que somos nós mesmos?

Essa história sobre um cão curioso nos mostra de maneira prática como o que transmitimos pode jogar a nosso favor ou se tornar nosso pior inimigo.

Na profundidade de uma floresta, um cachorro que andava sozinho, encontrou uma cabana entre as árvores. A cabana parecia não ter sido habitada por muitos anos, mas, apesar disso, o cão não cedeu à tentação de entrar porque afinal de contas ele não sabia o que encontrar. Finalmente, ele decidiu que era melhor não entrar.

Mas como a curiosidade levou a melhor sobre ele, no dia seguinte ele voltou para o mesmo lugar e usando toda a sua coragem veio um pouco mais perto. 

Eu ainda não conseguia superar o medo do desconhecido e o inesperado e não teve a coragem de entrar, mas a temperatura estava começando a se tornar insuportável e os raios do sol foram se tornando mais intensos.

O cachorro sabia que deveria procurar como se proteger e superar suas últimas dúvidas, finalmente entrou na cabana abandonada. 

“Olá!”, Ele gritou. Ninguém respondeu. Não havia ninguém. De repente, em um canto da cabine, ele viu uma escada e com muito medo, mas com determinação, subiu lentamente os degraus.

A partir daí sua vida muda completamente.

O cachorro está no final das escadas com uma sala surpreendente, porque lá ele não encontra nada mais e nada menos do que uma centena de cães como ele que olham para ele com curiosidade e que parecia estar esperando por ele.

De repente, o cão se sente invadido por uma sensação de paz e felicidade. Estes cães pareciam gentis e não intimidantes e ele achou melhor cumprimentá-los. Ele levantou uma das pernas e fez um gesto que os outros responderam igualmente. Todos o cumprimentaram. 

Mas ele também queria ser ouvido e depois latido como símbolo de amizade, algo que outros cães também faziam.

“Este lugar é incrível! – o cachorro disse para si mesmo eu voltarei sempre que puder!

Vários dias depois, outro cachorro passa pela cabana da floresta abandonada, mas com muito mais medo e mais desconfiança, e também prefere ficar longe do local.

Primeiro ele decidiu explorar ao redor da cabana, mas ele sabia que nunca entraria. Toda vez que ele voltava, era para ter certeza de que estava vazio e que não representava nenhum perigo para ele. Até que um dia, uma chuva intensa e fria, não lhe deixa outra escolha senão entrar na cabana.

Ele sabe que tem medo, mas também sabe que esse lugar pode ser um refúgio; para que ele consiga superar sua ansiedade e corra o risco. Ele sobe as escadas como o outro cão fazia alguns dias antes, mas à medida que progrediu passo a passo, seu medo e desconfiança aumentaram.

Que grande surpresa! Afinal, a cabana não era desabitada. Achava que estava sozinho, mas logo percebeu seu erro quando viu centenas de cães que, como ele, haviam procurado refúgio nessa cabana abandonada.

Imediatamente ele se coloca em guarda e se prepara para atacar o primeiro que se aproxima dele. Da mesma forma, os outros cães fizeram o mesmo. O cão começou a latir furiosamente e a mostrar os dentes agressivamente. Os outros responderam com a mesma agressividade.

O mais rápido que pôde, ele refez seus passos e desceu as escadas a toda velocidade, fugindo aterrorizado daquele lugar perigoso“Eu nunca mais voltarei a este lugar! Esses cachorros são muito agressivos!

Seu vôo foi tão rápido que ele não teve tempo de ver uma placa no final da escada que dizia: “Casa de espelhos”. Nem o primeiro nem o segundo cachorro perceberam que aqueles cães que viram eram sua própria imagem refletida nos espelhos.

Que conclusão podemos obter?

Às vezes, não queremos aceitar que o que muitas vezes vemos nos outros é simplesmente o reflexo de nós mesmos. 

Todos nós sabemos que o que recebemos dos outros é o mesmo que lhes damos, mas, por alguma razão, não podemos colocar em prática. Quem é gentil receberá gentileza e quem agressivo, receberá agressividade.

Os seres humanos são por natureza seres sociáveis ​​e nascemos para viver em grupos. É simplesmente nossa constituição biológica e cultural.

Então, quando nós somos gentis, é porque decidimos ser gentis, da mesma forma que, quando somos agressivos e violentos, é porque também escolhemos.

Cada pessoa que atravessa nossas vidas é uma referência indispensável para forjar nossa própria personalidade que tem que fazer muitas vezes com a decisão de querer ser como queremos ser.

Cada uma dessas pessoas é uma “casa de espelhos”, na qual refletimos e nos devolve o que somos.

O que você achou dessa história imaginária e simbólica? Você concorda que recebemos o que damos? Compartilhe suas opiniões!

Deixe uma resposta