Pesquisadores Explicam 10 Maneiras De Ensinar Empatia Aos Seus Filhos

Pesquisadores Explicam 10 Maneiras De Ensinar Empatia Aos Seus Filhos

O que é empatia? É simplesmente se colocar no lugar de outra pessoa. É entender como alguém se sente e como você pode ajudar.

Algumas crianças podem ter dificuldade em aprender a compaixão e, portanto, é fundamental ensiná-las. Como você faz isso?

Estratégias para ensinar empatia aos seus filhos

1. Fale com seus filhos sobre a moral

Segundo a pesquisa, a pessoa pode ser convencida a prejudicar outras pessoas, mesmo através de tortura, desde que seja oferecida a justificativa apropriada. Em um estudo, os participantes foram informados de que estavam participando de um experimento de aprendizado que precisava deles para administrar fortes choques agonizantes em outras pessoas.

O experimento era falso e a pessoa que estava sendo chocada era um ator que fingia estar em agonia depois de pressionar um botão. Os indivíduos foram convencidos por um indivíduo em um jaleco para realizar a tortura, e eles fizeram.

Assim, com a justificativa apropriada, as pessoas decentes são capazes de desvincular suas respostas morais. As crianças também podem fazer isso. 

2. Educar as crianças sobre os fracassos da imaginação

Muitas pessoas saíram para um passeio e ficaram desapontadas porque não haviam se preparado bem para isso. Eles não sabiam como estavam cansados, com sede, com fome ou com frio. De acordo com estudos, isso é chamado de “lacuna de empatia quente e fria”, que é um problema global.

Quando as pessoas estão confiantes, calmas e confortáveis, elas não se lembram de como é enfrentar os desafios. Eles esquecem o quão desesperados eles podem se sentir quando expostos à dor, insônia, fome e sede. Eles também subestimam o potencial de estados emocionais, como o medo.

A lacuna de empatia quente e fria resulta em falhas de compaixão e erros de julgamento. No entanto, depois de compreender o funcionamento da lacuna de empatia quente e fria, você pode usar para ensinar empatia aos seus filhos.

Por exemplo, ao conversar com seus filhos sobre seus sentimentos dolorosos, você pode oferecer casos de outras pessoas que enfrentaram o mesmo sofrimento. Isso ajudará a criança a sentir que você reconhece seus sentimentos.

3. Ajudar as crianças a desenvolver um senso moral baseado no autocontrole interno

As crianças são populares por serem espontaneamente simpáticas e prestativas. No entanto, a pesquisa mostra que as crianças podem ter menos probabilidade de serem simpáticas se forem materialmente recompensadas por isso.

Outros estudos revelam que as crianças têm maior probabilidade de desenvolver um senso de certo e errado quando seus pais ou responsáveis ​​utilizam a disciplina indutiva, uma abordagem que enfoca as consequências morais e as explicações racionais. Isto é o oposto de punições pesadas e regras arbitrárias.

Por exemplo, as crianças têm uma maior probabilidade de internalizar princípios morais quando seus pais discutem com eles como fazer o errado pode afetar outras pessoas. Isso induz sentimento de culpa e compaixão.

4. Ensine seus filhos a expressar as emoções de outras pessoas

De acordo com estudos, os movimentos de criar expressões faciais pode fazer com que você sinta a emoção relacionada. Quando os participantes imitavam expressões faciais específicas, os cientistas notaram alguns ajustes na atividade cerebral que são característicos da emoção relacionada.

As pessoas também passam por mudanças apropriadas na temperatura corporal, na condutividade da pele e na frequência cardíaca. Assim, é possível melhorar a simpatia de seus filhos, os ensinando a imitar as expressões faciais dos indivíduos que desejam ter empatia.

5. Ajudar a melhorar suas habilidades de leitura facial

É difícil ter empatia se ler rostos é um problema. Algumas crianças, especialmente pré-escolares, geralmente interpretam mal as expressões faciais.

Portanto, você pode mostrar fotos de pessoas que revelam várias emoções, incluindo nojo, surpresa, raiva, felicidade, medo e tristeza, e ensinar o que elas significam. Isso ajudará a resolver os problemas sociais que eles enfrentam devido à incapacidade de ler rostos.

6. Ensine a compaixão das crianças a promova a empatia cognitiva

A dramatização de papéis e a literatura podem oferecer às crianças insights sobre outras perspectivas e mentes. Mas você precisará ensinar sentimentos de angústia pessoal e como evitar ser subjugado pela simpatia afetiva.

De acordo com a pesquisa, práticas particulares de meditação, incluindo meditação da compaixão e meditação da atenção plena, podem ajudar nessa questão. Por exemplo, em estudos de treinamento de compaixão, os sujeitos visualizam seu sofrimento passado e o associam a sentimentos de cuidado e calor.

Para manter a concentração, eles repetem frases como “que eu seja seguro”. Os participantes fazem o exercício novamente com o alvo da compaixão sendo outros indivíduos.

Quando se trata de adultos, o treinamento de um dia tem sido produtivo em produzir variações de comportamento e atividade cerebral. Em comparação com pessoas que receberam apenas treinamento de memória, as pessoas que receberam treinamento de compaixão tinham uma probabilidade maior de ajudar um estranho.

Técnicas semelhantes de treinamento foram utilizadas com sucesso em adolescentes e podem ser adaptáveis ​​a crianças mais novas. 

Você pode ensinar empatia aos seus filhos, os ajudando a aprender a estar atentos às suas emoções e as dos outros, a expressar gratidão.

7. Ajudar as crianças a descobrir as semelhanças que compartilham com outras pessoas

Os adultos são mais compassivos com pessoas que compartilham coisas em comum. Eles também são capazes de sentir simpatia por um indivíduo que conhecem facilmente. Segundo a pesquisa, as crianças experimentam os mesmos preconceitos.

Portanto, para ensinar aos seus filhos a compaixão, conscientize-os das semelhanças que compartilham com os outros. Além disso, peça que saiam e interajam com pessoas de várias origens e descubram como a vida é em lugares distantes.

s conversas podem ajudar as crianças a aprenderem a serem compassivas, mas as crianças são mais influenciadas pelas ações de outras pessoas do que o que elas dizem. 

Segundo a pesquisa, a falta de compaixão por membros de outros grupos foi promovida pela falta de interação com esses membros.

Estudos também provaram que as instituições educacionais melhoram a compaixão nos estudantes quando promovem o multiculturalismo. O multiculturalismo é uma atitude calorosa e inclusiva em relação à diversidade cultural. Além disso, essa compaixão aprimorada está relacionada à felicidade elevada e ao desempenho acadêmico.

Conclusão

Uma criança que aprende empatia em uma idade jovem rapidamente se torna emocionalmente inteligente. Quer seja na escola ou no trabalho, eles serão capazes de responder aos cenários de forma a promover boas relações com os seus pares e autoridade.

O fracasso em ensinar empatia às crianças, especialmente quando lhes falta, pode resultar em uma vida desafiadora. Quando crescerem, terão dificuldade em manter relacionamentos. Eles também terão dificuldades no trabalho e na escola, já que não conseguirão se relacionar bem com os outros.

Deixe uma resposta