Por Que Somos Mais Gentis com Estranhos do Que Com Pessoas Que Amamos?

Por Que Somos Mais Gentis com Estranhos do Que Com Pessoas Que Amamos?

… E 3 maneiras de corrigir o problema antes que seja tarde demais.

Por que muitas vezes nos encontramos tratando mal aqueles que mais amamos?

Ao contrário da sabedoria popular, não creio que a resposta seja que a familiaridade gera desprezo!

Afinal de contas, não são as coisas positivas nas pessoas que amamos que se tornam repulsivas para nós (“Eu odeio que você seja tão gentil com todos!”).

Pelo contrário, é que nossa tolerância por todas as coisas que não gostamos que diminui com o tempo.

Acrescente a isso o fato de que a dor comanda nossa atenção muito mais do que o prazer, e chegamos à explicação: temos menor tolerância para as qualidades negativas daqueles com quem passamos a maior parte do tempo!

Mas é claro que queremos tratar bem nossos entes queridos – e muitas vezes sentimos uma tremenda culpa quando não fazemos isso.

Então, presumindo que não estamos tão fartos da nossa esposa que queremos o divórcio, tão fartos de nossos filhos que queremos colocá-los para adoção, ou tão fartos de nossos pais que queremos cortar o contato, o que fazer?

 

Eu ofereço as seguintes estratégias:

O objetivo aqui é produzir sentimentos intensos de gratidão. E nada produz mais a gratidão por algo como ser ameaçado com sua perda.

Estudos mostram que somos todos capazes de imaginar a perda de pessoas em nossas vidas concretamente o suficiente para evocar a gratidão que ainda temos por elas.

Nós podemos melhor fazer isso, imagine específicas maneiras como uma pessoa pode ser tirada de nós – na verdade, encenando cenários terríveis em nossa mente.

Tente isto: Escreva uma lista de coisas que você ama sobre sua família e, em seguida, reserve algum tempo todas as manhãs – apenas alguns minutos – para imaginar como você realmente poderia (ou, um dia, irá) perdê-los.

É mais provável que tenhamos uma reação emocional a essas imaginações se imaginarmos a ausência de entes queridos da forma mais visível possível.

Se procurarmos imaginar uma vida sem o nosso amor, por exemplo, imaginamos ver o espaço vazio que a ausência dele deixaria em nossa vida, vendo a cama em que agora dormimos juntos sem ele ou ela ao nosso lado, vendo a mesa em que comemos o jantar, mas sem ele ou ela em frente a nós, e assim por diante.

E quando pensamos em como teríamos que alterar nossa rotina diária por causa da sua ausência, poderíamos mais uma vez imaginá-lo com imagens de ir ao cinema sozinho, tirar férias sozinho, participar de eventos sozinhos e assim por diante.

Repetir essa prática regularmente pode transformá-la em um hábito que poderia continuar a te encher de gratidão, contanto que você continue a fazê-lo.

valorizar pessoas que amamos
Passe tempo com as pessoas que ama na companhia de outras pessoas

Você já percebeu, por exemplo, como se sente e se comporta de um jeito com sua família e outro com seus amigos – e outro com seus colegas de trabalho ou chefe?

Nós todos podemos ser quem quisermos, mas quem eu sou em qualquer momento não depende tanto de nós como das pessoas ao nosso redor.

Estou sugerindo, então, que, quando estiver na companhia de outras pessoas com quem você se sente menos íntimo, você se verá comportando de maneira mais educada e gentil – com nossos entes queridos também.

Além disso, você terá a chance de observar e apreciar melhor o que seus entes queridos têm dentro deles, que também estão sendo retirados deles pela presença de outros.

A dinâmica entre você e seus entes queridos vai mudar, e geralmente para melhor, quando outras pessoas estão presentes.

Fique um pouco distante das pessoas que ama por um tempo

Não faça isso porque você precisa recarregar sua tolerância para as coisas sobre seus entes queridos que incomodam você.

Faça isso para adquirir uma nova experiencia!

Saia para o mundo, sozinho, para que outras experiências e outras pessoas lhe torne mais generoso e mais grato pelas pessoas que estão em sua vida;

 

Nós não devemos tratar nossos entes queridos menos gentilmente do que os estranhos. Mas a realidade é que muitas vezes fazemos isso!

As sugestões acima são apenas algumas estratégias para melhorar a sua tolerância com as pessoas que ama, de modo que, você pode chegar ao fim da sua vida sem sentir arrependimento sobre como você os tratou.

Espero que tenha gostado e que essas dicas tenham sido úteis para você!

Deixe uma resposta