Que Tipo De Sangue Tem Maior Probabilidade De Sofrer Um Ataque Cardíaco?

Que Tipo De Sangue Tem Maior Probabilidade De Sofrer Um Ataque Cardíaco?

Seu grupo sanguíneo pode determinar se você tem mais chances de ter um ataque cardíaco!

Você não sabe qual é seu grupo sanguíneo? Bem, pode ser necessário ter certeza de que você tem o tipo de sangue que você tem porque a pesquisa sugere que alguns tipos correm mais risco de ter um ataque cardíaco do que outros.

Existem quatro grupos sanguíneos principais: A, B, AB e O. Existe um marcador adicional, o fator Rh, que nem todas as pessoas possuem. Dependendo se você tem esse fator ou não, o sangue é classificado como ‘positivo’ (com Rh) ou ‘negativo’ (sem Rh). Isto resulta num total de oito grupos sanguíneos (A positivo, negativo A, B positivo, negativo B…).

Uma investigação apresentada no IV Congresso Mundial De Insuficiência Cardíaca Aguda concluiu, após análise de dados de mais de um milhão de pessoas, que aqueles com sangue do tipo A, B ou AB eram mais propensos a sofrer algumas doenças cardiovasculares, como um ataque cardíaco, do que aqueles com grupo sanguíneo do tipo O.

Embora o estudo não tenha determinado claramente quais foram os fatores que tornaram essas pessoas mais propensas a um problema cardíaco, os cientistas sugerem que isso pode ser devido a uma maior concentração da proteína do fator von Willebrand. Esta proteína favorece o desenvolvimento de coágulos, o que aumenta o risco de ataques.

Além disso, os pesquisadores explicam que as pessoas com sangue diferente do tipo O são mais propensas a altos níveis de colesterol.

Poluição também influencia

Outras pesquisas indicam que os tipos sanguíneos A, B ou AB têm um risco maior de sofrer um ataque cardíaco em períodos de alta contaminação.

O trabalho realizado associa esse risco a um gene chamado ABO, presente em pessoas com os tipos sanguíneos já mencionados.

Os pesquisadores analisaram se uma variação específica neste gene ABO predispõe a um ataque cardíaco em tempos de aumento da poluição do ar.

“A principal mutação que estudamos diferiu entre os tipos sanguíneos O e não sanguíneos, que incluíram os tipos sanguíneos A, B e AB positivos e negativos. Que foi encontrado em estudos genéticos como menor risco é O. Os outros três tinham um risco mais elevado,” explica Benjamin Horne, epidemiologista clínico e um dos autores da pesquisa.

O limite acima do qual o risco de ataque é maior para pessoas com tipos sanguíneos O é 25 microgramas de contaminação por metro cúbico. “Em níveis acima de 25 microgramas por metro cúbico de contaminação, o aumento do risco é linear, enquanto abaixo desse nível há pouca ou nenhuma diferença de risco”, diz o cientista.

Pessoas com sangue do tipo O também apresentam maior risco de ataque cardíaco ou dor torácica instável em tempos de alta contaminação. Mas o seu nível de risco é muito mais baixo, 10% em vez de 25% para cada 10 microgramas de sangue do tipo O. Assim, a 65 microgramas por metro cúbico de contaminação, uma pessoa com grupo sanguíneo O enfrenta um risco 40% maior do que se o ar não estivesse defeituoso.

Em qualquer caso, a associação entre ataques cardíacos e contaminação “não é algo que deve entrar em pânico, mas deve ser levado em conta”, diz Horne.

Deixe uma resposta