Um Psicopata Pode Se Apaixonar? Essa é a Dúvida De Muitas Pessoas. Confira:

Um Psicopata Pode Se Apaixonar? Essa é a Dúvida De Muitas Pessoas. Confira:

Uma das principais características da psicopatia é a falta de empatia, a ausência de sentimentos e a ausência de afetividade.

Com essas qualidades, dificilmente podemos acreditar na ideia de que ele possa sentir amor por alguém que não seja ele mesmo.

Há uma razão para pensar que os psicopatas podem ter dificuldades em seus relacionamentos íntimos.

Um psicopata é capaz de estabelecer uma relação sentimental e, nela, manipular a vítima.

Mas isso não contradiz a possibilidade de o psicopata estar apaixonado por seu parceiro ou amar sua família.

Para entender isso, é necessário definir o que é psicopatia e definir o que é o amor.

A falta de empatia e a incapacidade de expressar emoções de certa profundidade psicológica poderiam levar à desintegração de seu vínculo devido à adoção de padrões destrutivos de interação entre ambos que aumentariam.

Se uma pessoa é incapaz de sentir medo, é lógico que ela não tenha medo das consequências de suas ações e, portanto, não se sinta culpada por elas, elas são simplesmente imunizadas contra elas.

Se o amor é dar, admirar, sentir coisas dentro de nós que nos fazem ver outra pessoa como essencial para desenvolver a nossa vida, é totalmente impossível para um psicopata manter uma relação amorosa autêntica.

Porque, como dissemos sim, os relacionamentos amorosos terão, eles também gostam de amor, como sabemos, um dos itens do teste da psicopatia é exatamente isso: “multidão de breves relações matrimoniais”.

Mas eles farão isso por seu próprio ego, satisfação, autoindulgência. Eles não farão isso porque não podem viver sem a outra pessoa.

Tem sido demonstrado que os psicopatas são capazes de sentir compaixão por si mesmos e de sentir empatia quando são instruídos a fazer.

Tudo isso prova que, em psicopatas, a emotividade não é um simples vácuo, talvez seja um buraco muito escuro, mas certamente contém alguma coisa.

Levando isto em conta, resta pensar se é possível chamar o amor a essa emoção psicopática que parece imitar apenas parcialmente, ou se o amor, como os idealistas românticos sustentam, vai muito além.

Deixe uma resposta