Uma história Zen dedicada àqueles que te criticam

Uma história Zen dedicada àqueles que te criticam

Yōtaku Bankei foi um grande mestre Zen japonês, viveu durante anos como um eremita e quando ele finalmente alcançou a iluminação, rejeitou uma posição honrosa dentro do mosteiro e preferiu continuar a ajudar na cozinha. No entanto, a fama de sua sabedoria era tão grande que alunos de todo o Japão vieram para ouvir o que ele tinha a dizer.

Dizem que durante uma daquelas semanas de meditação, um dos discípulos foi pego roubando. O jovem foi denunciado a Bankei para expulsá-lo. Mas Bankei ignorou o caso.

Alguns dias depois, eles surpreenderam o discípulo novamente ao cometer um ato semelhante, mas, mais uma vez, Bankei ignorou a afirmação.

Esta situação irritou os outros discípulos, que escreveram uma petição exigindo que o ladrão deixasse o mosteiro porque eles não o consideravam digno de estar lá. Se o mestre zen não o expulsasse, eles deixariam o mosteiro.

Quando Bankei leu a petição, reuniu todos os seus discípulos e disse:

“Vocês são pessoas sábias que sabem a diferença entre certo e errado. Eles podem ir a outro monastério para continuar seu aprendizado, se assim desejarem. Mas esse pobre jovem nem sabe distinguir o bem do mal. Quem vai ensiná-lo se eu não o fizer? Vou mantê-lo perto de mim até que ele aprenda”.

Um rio de lágrimas inundou a face do discípulo que havia roubado. Naquele exato momento, todo o desejo de roubar desapareceu.

Todos podem criticar, poucos podem perdoar e ser compassivos

zen

Às vezes, uma história simples pode nos ensinar muito mais do que um livro de filosofia. O enorme poder das histórias se deve ao fato de superarem as barreiras da racionalidade, tocando as fibras emocionais, que geram o conhecimento mais profundo.

De fato, o budismo diz que tudo que vale a pena aprender não pode ser ensinado. Significa que as lições mais importantes, aquelas que mudam e transformam a maneira como vemos o mundo, vêm de dentro.

Bankei nos oferece uma grande lição através desta história simples e nos lembra de algo que uma grande parte da nossa sociedade parece ter esquecido: os críticos dizem mais daqueles que criticam do que daqueles que são criticados.

Se queremos ser lembrados e realmente construir um mundo melhor, devemos praticar muito mais perdão e compaixão.

Bankei nos convida a refletir sobre a facilidade com que podemos virar as costas para as pessoas que estão erradas, aquelas que não compartilham nossos pontos de vista ou se comportam de maneira contrária aos nossos valores. Em vez de construir uma ponte, preferimos rotulá-las como “pessoas ruins” e fugir.

Quando julgamos o outro, fingimos ficar em cima dele, nos certificando de que somos “melhores” porque nunca agiríamos da mesma maneira. Então, negamos a dualidade que existe dentro de nós e, de certa forma, projetamos isso no outro. Negamos os valores e as atitudes negativas que nos assustam e pensamos que vemos no outro.

Naturalmente, não se trata de recompensar o mau comportamento, não há dúvida de que a sociedade deve manter uma certa ordem e, portanto, existem regras e punições para aqueles que não as respeitam. Tampouco é uma questão de adotar uma posição masoquista “dando a outra face”; Em alguns casos, ficar longe de algumas pessoas é a única coisa que podemos fazer para preservar nosso equilíbrio emocional e nossa paz. Mas antes de criticar os outros e excluí-los de nossas vidas, seria apropriado tentar ajudar.

Sentir compaixão por uma pessoa vulnerável ou sofrendo é uma resposta natural, nosso cérebro é “programado” para isso. Perdoar aqueles que cometeram erros e tentar ajudar a mudar é muito mais complicado, porque requer um ato consciente no qual podemos nos colocar no lugar da outra pessoa. Este ato requer não apenas um grande esforço, mas também uma grande confiança em si mesmo.

No entanto, se parássemos por um momento para olhar mais profundamente, além do comportamento, poderíamos ver a pessoa.

Um estudo realizado na Universidade da Califórnia revelou que as pessoas mais críticas e ferozes também são as mais vulneráveis ​​do ponto de vista emocional, pois usam a crítica como estratégia defensiva para esconder sua fragilidade.

Esta bela história Zen nos encoraja a não nos apressarmos em julgar as pessoas e aprender a perdoar, a ajudar com compaixão aqueles que não têm as mesmas ferramentas que nós. Às vezes, para ajudar, basta dar um exemplo e mostrar que somos capazes de perdoar, sentir compaixão e ser tolerantes.

GOSTOU? SALVE NO PINTEREST ♥

Deixe uma resposta