Você não conversa com um familiar? Então precisa ler isso!

Você não conversa com um familiar? Então precisa ler isso!

Filhos que deixam de falar com os pais, irmãos que se afastam, famílias divididas… Quando paramos de conversar com um membro da família, sempre há razões arraigadas por trás da dor, frustração e infelicidade acumuladas. 

Quando paramos de falar com um membro da família é porque há razões por trás disso, na maioria dos casos, justificáveis. Não é algo simples ou uma decisão que é feita impulsivamente ou de um dia para o outro.

A separação familiar frequentemente responde a certos atritos, desacordos crônicos, ferimentos não curados e a recusa de qualquer uma das partes em fazer uma mudança, uma melhoria. 

Os especialistas em dinâmica familiar comentam que essas distâncias respondem a uma das realidades mais dolorosas que o ser humano pode experimentar

Agora, o sofrimento nem sempre vem da própria decisão de marcar um limite. Às vezes, aquele passo que gera é alívio. O desconforto real está concentrado em toda experiência passada, o mesmo que motiva essa decisão.

Por outro lado, há um fato indiscutível que ocorre com muita frequência. Nossa sociedade projeta um julgamento muito severo em relação a quem, em determinado momento, escolhe marcar a distância na família

Quase instantaneamente, o rótulo de “filho mau”, “mau neto”, “a irmã má”… nem sempre deixa espaço para dúvidas ou para aquela empatia da qual perguntar o que pode justificar esse comportamento.
Da mesma forma, é importante ressaltar que há muitas pessoas que, mesmo tendo dado esse passo, continuam sofrendo. Por isso, eles precisam de apoio psicológico para lidar, administrar e desvendar a meada de um passado que continua a doer. 

O mesmo cujo rastro continua sem ser apagado e ganha peso com o passar dos dias.

Quando paramos de conversar com um membro da família, a decisão mais difícil

Paramos de falar com um parente quando sentimos que alcançamos o limite. 

Quando as discrepâncias criam paredes, quando as emoções negativas vertebram quase todas as situações, circunstâncias e palavras. No entanto, apesar do fato de que esta decisão irá marcar um antes e depois, o distanciamento já ocorreu anos antes.
Insistimos mais uma vez que não é uma decisão fácil e que ninguém costuma tomar essa decisão em apenas um único conflito. 

Se afastar da família: uma dor emocional muito complexa

O distanciamento familiar ocorre de acordo com os dados em uma faixa geracional tão ampla quanto aquela contida entre 18 e 60 anos. Há aqueles que esperam ser maiores de idade para dar o passo. Outros, no entanto, levam mais tempo para tomar uma decisão diante da qual nem sempre estamos preparados. 
Às vezes, é por causa do medo, às vezes por causa da indecisão e, na maioria das vezes, por causa da pressão social.
Quando paramos de conversar com um membro da família, experimentamos muitos tipos de dor que nem sempre são comentados:

  • Existe todo o sofrimento vivido no passado, aquele com o qual não sabemos lidar.
  • Além disso, outra realidade que muitas pessoas sofrem é a vergonhaVergonha por não ter uma “boa família” que oferecem apoio, afeto… Eles sentem vergonha demais para não saber se a decisão proferida é o direito um, a sofrer críticas por parte de alguns do seu ambiente mais próximo.

Por outro lado, fatores como o peso do estigma e até mesmo o isolamento social também influenciam e devem ser considerados.

É apropriado parar de falar com um membro da família?

Como já dissemos, parar de falar com um membro da família não é uma decisão que geralmente é tomada de ânimo leve. Não é um capricho, a reação de um adolescente ou o fruto de um desacordo específico. Na maioria dos casos, há uma realidade lentamente gerada que pode ter muitas origens: abuso, autoritarismo, desprezo, falta de apoio contínuo, invisibilidade, falta de afeição…
É claro que cada pessoa vive a sua realidade de uma forma. Haverá aqueles que acreditam que nenhuma das realidades mencionadas acima foi alguma vez dada, outras que ocorreram diariamente. No entanto, e seja o que for, o que existe é um conflito não resolvido. 

O ideal nesses casos é abordar, enfrentar, dar a si mesmo a oportunidade de gerar mudanças nas quais cada membro é reconhecido.
Se isso não acontecer, se não houver vontade e sofrimento, a distância é uma resposta correta. No entanto, o que é recomendado em primeiro lugar é o seguinte:

  • Decida uma frequência de contato. Podemos tentar reuniões uma vez a cada duas semanas ou uma vez por mês. Também vamos pensar sobre a duração dessas visitas (duas horas, uma…).
  • Escolha o tipo de contato mais confortável para nós. Visitas domiciliares, reuniões fora de casa, ligações, mensagens…
  • Vamos avaliar cada situação e circunstância. Pouco a pouco, podemos decidir se é melhor visitar uma vez por mês, em duas visitas por ano ou simplesmente reduzir completamente o contato e a comunicação.

Para concluir, quando paramos de conversar com um parente, às vezes, o problema não termina aqui. Em alguns casos, há muitas pontas soltas, muitas impressões que geram desconforto e que devem ser resolvidas. Nestas situações, a terapia psicológica será sempre útil. Vamos pensar sobre isso.

Deixe uma resposta